quinta-feira, julho 29, 2010

Vampira Mortal





Assim como em tantas noites... A solidão era minha melhor compania.
Eu preferia assim... Viver sozinha... Quanto mais estou rodeada de pessoas pior me sinto.
Os seres humanos são criaturas falsas, desprovidas de qualquer real afeto.
Bem... Devem estar se perguntando quem sou eu.
Eu sou a luz.
Eu sou a rosa.
Eu sou a escuridão.
Eu sou uma Vampira.
Minha vida mortal passou tão rapidamente que agora quando me recordo dela. Parece que não estou falando de mim mesma... E sim de outro ser. Outra humana tola.
Mas era eu. Talvez não tão viva quanto estou agora...
Viva? Essa palavra parece estranha vinda de uma Vampira? Mas gosto de usa-la. Sim.Viva, porque é assim que estou... E assim que me sinto. Lembrar da minha vida Mortal e como abrir um livro, com paginas empueirradas e cheirando a mofo. Porque para mim, minha vida era assim.
Desde pequena vivia excluida. Admito que nem sempre por opção. Mas cresci assim. Aprendendo a viver sozinha. Ao mesmo tempo, dentro de casa... Me sentia feliz. Sabe... familia grande... Muito amor.
Ah! Minha casa... Que saudades... Quase posso senti-la. Tinha quatro irmãos... Corrigindo... Tenho quatro irmãos (Tenho certeza que Lucius me mataria se me visse escrevendo tal coisa), é triste nem ter certeza se
eles estão vivos... Mas isso não vem ao caso neste momento, isto é uma pequena auto-biografia, ou quem sabe somente um desabafo.
Não tenho nada do que reclamar e mudar em minha vida. Vivi o que tinha que viver. Aprendi o que
tinha que aprender. Sofri o que tinha que sofrer.
Saí de casa com vinte e um anos. Foi triste, fiquei com o coração partido, mas de certa maneira aliviada. Eu era a caçula. Então imagine como foi despedida? Parecia que eu tinha morrido de tanto choro vindo de meus pais. Me mudei para um apartamento de muito bom gosto na avenida Paulista. Sempre foi meu sonho. Fazia faculdade de Medicina. E tudo ia bem... Até conhecê-lo...
Ele me invadiu sem permissões...
Entrou em meu leito sem ser convidado...
Me possuiu como um licor...
Sentir as mãos frias dele por debaixo da minha coberta, me excitava... E quando ele não vinha, ah... Passava horas acordada pensando loucuras como: "Onde ele estará?"
Mas ele sempre vinha.... Sempre. No peridodo desses devaneios, fui á diversos psicologos. Ele me receitavam remedios... Perdi a conta de quantos exames de cabeça fiz nesse periodo. Mas as visitas se tornaram frequentes. Todas as noites... Nós beijavamos... Acariciamos...
E eu acabava me entregando a ele...
Luicius...
Senhor da morte...
Senhor da minha alma...
Senhor do meu corpo...
Passou um mês até eu perceber que não estava louca, e nem precisava visitar nenhum psicologo.
Ele não era um devaneio. Era real. Tão real quanto suas presas e sua face palida. Ele era um Vampiro. Eu aceitando ou não.
Estava completamente apaixonada por um Vampiro.
Conversavamos... Falavamos sobre a vida... Sobre o mundo... Mas, demorou três anos, para Lucius me falar sobre ele mesmo.
Numa noite como outra qualquer, ele me falou a coisa mais assustadora que alguém poderia ouvir de um Vampiro. Lembro-me perfeitamente de suas palavras:
- Amor, quero te fazer minha... - levantei os olhos distraida para ele - Não só por um ano ou mais... Quero que seja minha eterna amante.
Aquilo me chocou, desde do inicio, isso não havia passado por minha mente, eu virar Vampira? Como...?
Passei uma semana refletindo. Pensando a respeito de tal loucura. Mas e minha faculdade? E minha familia? Será que valia a pena ter uma vida eterna ao lado do homem que ama? Será que valia a pena me tornar uma eterna sugadora de sangue?
Mas sim... Valia a pena... Imaginar minha vida sem Lucius é impossivel. E como imaginar uma flor sem água. Eu morreria.
E foi assim que aceitei passar a eternidade ao seu lado.
Este ano farei cerca de trinta anos. Porém minha aparência é de uma garota de vinte e um.
E Lucius? Ah... Lucius é o meu ar... Lucius é a minha vida... Lucius é o meu sangue...
Ser dele por eternas noites é como se o tempo parasse e pudessemos fazer tudo que tanto temos vontade. É como se o tempo e o mundo estivesse aos nossos pés... E não está?


8 comentários:

  1. Amei *---* ( amo seus contos e poemas) (L'

    ResponderExcluir
  2. Parabéns! Gostei muito desse conto. Coloquei seu link no meu blog. Agora estou curiosa quanto aos outros.

    Anny Lucard

    ResponderExcluir
  3. Ei muito lindo, amei!!!
    Parabens!!!

    ResponderExcluir
  4. novamente vc me surpreendeu,com suas historias.parabens!
    aposto todas minhas fichas em vc.
    mantenha contato!!

    ResponderExcluir
  5. ain adorei *-*
    mas bem que poderia prolongar a historia rs <3

    ResponderExcluir
  6. muito bom. acabei de conhecer e to adorando. um beijo.

    ResponderExcluir
  7. Muito Bom, já postei uma das frases do Texto no meu perfil do Orkut!
    Perfeito!

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir